A latinha que queria ser reciclada - Editora Viseu
Olá, visitante! Login ou Cadastro |

A latinha que queria ser reciclada

- Maria Medeiros (ver perfil)

Um carro em alta velocidade virou uma esquina de uma grande cidade qualquer e uma lata de refrigerante foi jogada na rua. A latinha rolou e rolou até parar no meio-fio...

Adquira em outras lojas

Compartilhar:  

Descrição do Livro

Um carro em alta velocidade virou uma esquina de uma grande cidade qualquer e uma lata de refrigerante foi jogada na rua. A latinha rolou e rolou até parar no meio-fio. De repente ela ouviu um forte trovão. Olhou para o céu e viu que nuvens escuras de chuva se aproximavam. Logo pingos fortes de água começaram a cair e ela com medo de ser arrastada pela enxurrada, pulou tentando subir na calçada. Nesse momento viu um jornal encostado na parede. – Psiu! Senhor jornal, pode me dar uma mãozinha aqui? Se eu continuar onde estou serei arrastada por toda essa água que vai cair e acabarei no rio.
O jornal olhou para ela com indiferença e disse: - Sinto muito, mas se eu for até ai corro o risco de ficar todo molhado e ninguém me reciclar.
E diante da negativa do jornal em ajudá-la, ela não desistiu de subir na calçada e pulou mais uma vez, em vão. A chuva forte veio e a enxurrada a levou para o rio e nas águas poluídas ela encontrou um pote de vidro, um pneu, garrafas pet, sacos plásticos, papelão e uma bituca de cigarro. Todos tinham sido arrastados para o rio durante a tempestade. Ela se aproximou do potinho e quis saber o que ele era antes de ir parar no rio. O potinho tristonho disse que outrora tinha sido um delicioso pote de geleia de morango e que quando o seu recheio acabou foi largado em um lugar inadequado e ali estava ele com todo aquele lixo descendo rio abaixo.
- Parece que este é o destino de todos nós. Depois de sermos usados somos abandonados em qualquer lugar. Lamentou a latinha. E se afastou, segurou-se em uma pequena árvore que havia às margens do rio e permaneceu ali por dias e noites e durante o tempo em que ficou agarrada ao galho da arvorezinha, todas as vezes que chovia ela via as águas invadirem as ruas e o lixo abandonado descer rio abaixo.
Em um lindo dia de sol um grupo de escoteiros se acercou das margens do rio e ela feliz ficou quando ouviu alguém gritar: - Davi! Pega aquela latinha enroscada naquela árvore! O menino recolheu a latinha e ela aliviada pensou: “Ufa! Fui salva. Agora serei reciclada”.

Ficha Técnica

ISBN 9786556740829
E-ISBN 9786556742083
Páginas 20
Edição número 1
Edição ano 2020

Newsletter

Quer ficar por dentro de nossas novidades? Assine nossa newsletter.

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!