Olá, visitante! Login ou Cadastro |

Intrínseco em nós

- Mônica de Rosa da Silva (ver perfil)

Sei que há uma ordem natural das coisas, mas não sei se há uma ordem com critérios tão específicos ao ponto de algumas pessoas terem certos privilégios como a identificação como na arte.

LEIA UM TRECHO

IMPRESSO E-BOOK


Compartilhar:  

Descrição do Livro

Sei que há uma ordem natural das coisas, mas não sei se há uma ordem com critérios tão específicos ao ponto de algumas pessoas terem certos privilégios, mas não cito em questões econômicas ou quaisquer outras, mas sim como a identificação tão singular do ser através de forças expressivas como na arte, e em todos sentidos que a contemplam. Porém, sei que há pessoas que se desenvolvem isoladas de si e pessoas que se desenvolvem isoladas do mundo, acho que esse é o privilegio e a diferença de uma e de outra. Ao se isolar do mundo a vida recaí sobre si apenas, não tendo a naturalidade do compartilhamento de angustias as esperanças, de um traço a desenhos. Mas tenho em vista que o maior de todos os pesadelos que possa cair como uma descarga elétrica em uma pessoa que se isola do mundo é o amor ou melhor no caso a preterição, como abordado através desse livro, nas quais os textos não há desenvoltura com outras pessoas ou que seja com o mundo, não da forma que poderia escandecer alma. O intrínseco em nós ressalta esse isolamento do mundo na pior forma, a mais amargurada na óptica da preterição e na mais romantizada na óptica do amor (Cito o amor por não duvidar da falta da capacidade de distinção, por conta também, da péssima interpretação que as pessoas possam ter entre o que é e o que não é amor, ainda mais ao ser abordado esse assunto em um livro). Como já citado, mas não especificado em qual das características pertencem ao privilégio, se é o isolado ou não isolado do mundo e claro que em minha percepção o isolado do mundo (mesmo que para os outros, os não isolados que se apresentam em maiorias das vezes como cardumes que se movimentam pelo mar, a minoria possa ser vista como estranha, mesmo que para estes sejam no bom sentido). Portanto, terá tempo suficiente para transformação da dor, em específico no livro, a transformação da dor em poemas, já que ela se manteve intacta por bom tempo, tempo suficiente ser denominada como intrínseca. No entanto, a minha falta de percepção não é tão grotesca de não perceber que pertenço ao mundo, mesmo não querendo, e ao ponto de assinar essa individualidade sem ao menos representar todos que “sofrem” desse privilegio e por isso, nomeio a titulação deste livro com a representatividade dos mesmos.

Ficha Técnica

ISBN 9788554543204
E-ISBN 9788554543211
Páginas 44
Edição número 1
Edição ano 2018

Newsletter

Quer ficar por dentro de nossas novidades? Assine nossa newsletter.

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!